quinta-feira, 29 de junho de 2017

Conto Erótico: Você Sabe Quem Já Comeu A Sua Esposa Antes De Você?

apertando seios da peituda casada


Você sabe quem já comeu sua esposa no passado?... Eu tinha um amigo que vivia se gabando de os atuais maridos de ex-namoradas e ficantes dele nem desconfiarem que ele já andou enfiando seu pau no pedaço. E pelo visto não foram poucas suas aventuras... Em festas, por exemplo, ele chegava na gente e ficava dizendo, tá vendo a esposa do Fulano ali, toda gostosuda naquela calça de academia? Então, eu já comi... E contava detalhes do corpo dela, das transas deles etc, para convencer a gente de que já comeu mesmo. Eram histórias bem excitantes e às vezes dava até para desconfiar, mas a verdade é que ele era mesmo do tipo comedor, o tal "bad boy", que parece atrair as mulheres como moscas no mel e que come muitas mulheres mais por compulsão de estar sempre experimentando algo novo do que qualquer outra coisa.

Eu mesmo uma vez vi ele agarrando uma novinha que todo mundo podia jurar que era virgem no quintal de uma festa, enfiando as mãos entre as pernas dela, no meio do shortinho, e depois desaparecendo com ela para o andar de cima da casa. E depois de alguns meses, já descabaçada por ele, ela ficou com um namoradinho firme com quem mais tarde veio até a se casar... E eu não podia olhar para esse marido dela sem me lembrar da época em que a esposa dele perdeu o cabaço para esse comedor, toda excitada com ele metendo a mão entre as pernas dela... Acho que todo mundo já teve um amigo comedor assim né? No caso desse, ele vivia dizendo para a gente "Quem já comeu uma vez come de novo..." E dizia isso porque entre seus hábitos estava o de comer, ou pelo menos tentar comer, as ex dele depois delas casadas. Então, meu maior medo na época era me tornar um desses maridos, tendo um ex-comedor da minha esposa no nosso círculo de amizades sem nem desconfiar...

Mas depois me desencanei. A gente se torna mais adulto, se apaixona, acha o mundo todo muito mais sério, e então se casa, sem se preocupar muito com o passado da esposa. Entre a maioria dos casais, aliás, falar sobre o passado da esposa costuma ser uma espécie de tabu, e com a gente não era diferente. Mas eu vivia tranquilo, me sentindo o maior sortudo de não ter no meu círculo de amizades nenhum amigo que já comeu minha esposa. E mais sortudo ainda que ela não parecia ser do tipo que já andou abrindo as pernas para "bad boys" no passado... Mas um dia...

Bem, um dia estávamos na festa de despedida de uma amiga dela, a Rose. Rose era uma antiga amiga de quando estudaram juntas e ia se mudar para o nordeste junto com o marido. Aliás, ele já estava lá, trabalhando e preparando o futuro lar dos dois. E nós na festa de despedida dela, na casa deles que ficava no interior onde minha esposa também já morou quando fazia faculdade. Havíamos até arranjado com a Rose que iríamos passar a noite lá depois da festa para não ter que pegar a perigosa estrada de volta à noite, ainda mais depois de beber o que podia significar mais do que o risco de acidentes o risco de apreensão do carro.

Mas voltando ao que interessa, a certa altura da festa, depois de gaguejar um bom tempo sem saber como dizer, minha esposa me confidenciou uma coisa que me caiu como um balde de água fria na cabeça, mesmo naquele dia tão quente: O cara que estava na churrasqueira preparando as carnes (olhei, era um moreno sorridente e falador que ficava contando piadas para todo mundo enquanto distribuía as carnes) já havia sido seu namorado naquela época! Ou seja, vivi seis anos sem nunca nem ouvir falar de ninguém que tivesse ficado com minha esposa no passado, e agora tinha que passar pela provação de conhecer, bem no meio de uma festa, um que já namorou ela??? Era o destino, e imediatamente fiquei de cara amarrada vendo naquele indivíduo a imagem do meu amigo que ficava rindo dos maridos de quem ele já passou ferro na esposa.

ex namorado da esposa

Mas de qualquer forma, seriam só mais algumas horas que eu teria que aturar dividir o mesmo lugar com alguém que já traçou a minha esposa. Então procurei me controlar, e fiquei na minha, só bebendo sem ir buscar carne nenhuma. Mas quando a fome apertou, ainda mais com aquele cheiro de churrasco, minha esposa começou a colocar pressão. Disse que estava exagerando, relembrou que "foi há muito tempo", e até disse que no final das contas o André até era um cara legal e eu ia gostar de conhecer ele...! Aí foi demais! Eu virei para ela e disse: "Como assim conhecer ele?? Que marido que vai querer conhecer alguém que já comeu a esposa dele?" Ela, chocada com essa frase (era a primeira vez que eu mencionei ele já ter comido ela como sendo o problema), ficou só parada boquiaberta me olhando... Acho que ela achou mesmo que a conversa só estivesse focada na ideia de "namoro", não de "transa".

Mas antes que ela pudesse responder qualquer coisa, o destino me pregou a pior das peças! De repente, apareceu ali na nossa mesa carregando um espeto variado de carnes para distribuir, nada mais nada menos que o próprio! Ele, é claro, nem devia desconfiar de que eu soubesse de qualquer coisa do passado deles e chegou disfarçando bem, todo sorridente contando piadinhas e puxando papo. Minha esposa então, para minha surpresa, retribuiu a "simpatia" dele com um sorriso imenso de orelha a orelha, na maior, toda descontraída, e durante o tempo que ele ficou lá (que não foi pouco) ficou rindo das piadinhas dele e me incentivando a participar da conversa também. E eu? Acho que devo ter ficado com a maior cara de bosta de quem está diante de quem já meteu na esposa dele, mas acho que não notaram isso... Continuaram conversando normalmente sobre amenidades e trocando sorrisinhos.

Quando ele foi embora, tendo deixado vários petiscos na nossa mesa que a minha esposa já foi logo devorando, ela disse, com a boca cheia: "Viu? Nem foi tão mal, não é?... Ele até é um cara legal, não é?..." Eu respondi asperamente: "É, para você ele deve ter sido um cara legal... Tipo na cama, né?... Mas não precisava ficar tão sorridente para ele agora, precisava?" Ela minimizou: "E você queria o quê?... Que eu ficasse tão chorosa para ele??" E então deu uma risadinha achando engraçado o que ela mesma disse, mas quando me viu de cara amarrada tentou ficar séria de novo. Só que não conseguiu muito, porque logo se aconchegou a mim e começou a dizer no meu ouvido, fazendo voz meiga: "Ah... Não fica assim... Não precisa ficar tão ciumento... Já disse, foi há muito tempo... Vem... Me dá um beijim..." Nessa hora notei que o tempo que ela ficou bebendo sem comer nada (assim como eu) deixou ela um pouco alta da bebida. Mas fui na dela e topei trocarmos "um beijim"... Só que nem sei como esse "beijim" logo se transformou em uma beijação enlouquecida!... Percebi então que além de um pouco bêbada ela também estava excitada. Comecei a me perguntar se o tempo que ficou ali toda sorridente trocando olhares com um ex-comedor foi o que deu todo esse tesão nela... Fiquei muito curioso de saber no que ela estava pensando... Ou lembrando!...

ex comendo esposa

Fiquei tão curioso quanto a isso que quando eles saíram juntos da nossa mesa (depois de muito tempo) eu ao invés de reclamar para a minha esposa de ela ter ficado de novo toda sorrisos e olhares para o ex já fui logo perguntando se ela achava que no passado ele já tinha comido a Rose também. Ela disse que não, até porque se eles namoravam no passado como sua melhor amiga na época iria para a cama com ele? Notei na resposta dela uma boa dose de despeito... Recusa de acreditar que pudesse ter sido chifrada por eles... Parecia meio "mordida" ...Mas como assim mordida?? Eu pensei, ela é minha esposa. Podia ao menos disfarçar o ciúme ao achar que seu ex-namorado pode ter comido sua amiga... Mas acho que por causa da bebida ela não conseguiu disfarçar muito bem... Ficou irritadiça mesmo

De qualquer forma, mesmo se o André não comeu a Rose no passado, parecia que agora tinha alguma coisa rolando entre eles sim... E o marido dela no nordeste!... E ficamos mais desconfiados ainda quando, depois da festa, vimos que o André também ia pernoitar lá para pegar a estrada só no dia seguinte. É claro que a Rose disse que ele ia dormir no quarto da empregada, mas no meio da noite me bateu uma grande desconfiança e resolvi investigar. Saí com todo o cuidado do quarto onde estávamos hospedados e fui silenciosamente pelo corredor escuro até a porta do quarto de casal, a suíte onde a Rose estava. Lá, com o ouvido encostado na porta não havia dúvidas: O André, além de ser um ex-comedor da minha esposa, agora estava metendo ferro também na Rose, uma mulher muito bem casada e que ninguém desconfiaria que pudesse ter um caso por fora! Fiquei praticamente em choque, parado encostado na porta em meio a toda aquela escuridão. Como um cara desses ganha uma mulher já casada assim? Lembrei-me do que o meu antigo amigo dizia e pensei que o André já deve mesmo ter comido também a Rose lá no passado. Isso reduzia as resistências dela de dar para ele agora... Ainda mais tanto tempo sozinha sem sexo... Então percebi minha esposa também parada ali ao meu lado, igualmente com o ouvido grudado na porta. Ela ficou curiosa quando eu saí do quarto e quis saber o que eu estava ouvindo. Então depois de ouvirmos surpresos muitos gemidos e sussurros, e gozadas, tanto dela quanto dele, voltamos com cuidado para o nosso quarto.

Lá dentro, tonto tanto pelo choque como também por toda a bebida do dia, eu comentei: "É... Parece que a sua amiga está gostando muito do pau do seu ex lá..." Achei que isso ia provocar ciúme de novo nela, mas numa reação que eu não esperava o que ela fez foi vir quente cheia de tesão pra cima de mim, me apertando, me beijando e se esfregando em mim, ouvir os dois lá transando parece que deixou ela praticamente implorando por sexo. Enfiou a mão no meu short e pegou meu pau, que infelizmente não estava muito duro devido a todo esse choque que tive em uma só noite, mas continuou me beijando na boca extremamente excitada. O pior é que ao mesmo tempo que me passava pela cabeça que todo esse tesão dela foi de ouvir os gemidos do seu ex-comedor lá todo excitado, eu receava que uma comparação entre eu e ele nessa hora seria inevitável na cabeça dela. Ele lá matando sua amiga de tesão fazendo ela gozar direto e eu aqui de pau meio duro meio mole não conseguindo me excitar muito exatamente por causa de todos esses pensamentos.

Mas então já estávamos os dois nus deitados na cama, com ela com a buceta escorrendo tesão, me molhando todo enquanto se esfregava no meu corpo, deitada sobre mim mas, é claro, frustrada porque meu pau não conseguia atingir uma ereção satisfatória, quando ela sugeriu que poderia ser pelo calor e pela bebida essa minha "brochada" e sugeriu tomarmos uma ducha antes de continuarmos. Aceitei a sugestão, inclusive porque eu queria evitar aquela comparação negativa minha com o seu ex-comedor que estava tendo uma performance tão melhor no outro quarto. Quando saímos do quarto ela, ao invés de ir direto para o banheiro, quis dar mais uma escutadinha na outra porta. Eu, que estava dispensando ela se excitar mais ainda de ouvir os gemidos do ex-comedor de novo, insisti que não e puxei-a para o banheiro. Lá dentro, tentei mesmo melhorar minha "performance" e dei umas belas chupadas nela, isso é claro que só fez o tesão dela ir mais aos extremos ainda, mas também serviu para endurecer meu pau. No final, até tive que parar para evitar que ela gozasse na minha boca antes de gozar no meu pau, porque a essa altura ele já estava bem duro e eu queria mostrar para ela que eu também podia meter nela com tanta vontade quanto deu para ouvir que o seu ex-comedor estava metendo lá com a sua amiga. Ela, é claro, quando percebeu meu pau já bem duro ficou muito feliz que ia finalmente satisfazer todo seu tesão, e saímos do banheiro para o corredor escuro sem sequer colocarmos nossas roupas já que seria só uma corridinha até o nosso quarto.

ex comendo esposa

No escuro do nosso quarto encostei o ouvido na porta fechada para tentar ouvir o que estava acontecendo lá fora no corredor, e por baixo da fresta vi a luz dele se acendendo. Depois de um tempo ouvi batidinhas na porta do banheiro, e a voz da Rose perguntando alguma coisa tipo "quem está aí?" Minha esposa abriu a porta, com certeza apenas uma fresta, para falar com a amiga que deu para perceber que estava sozinha no corredor. Ficaram falando um tempão, eu não entendia como poderia haver tanto assunto para uma conversa através da porta de um banheiro às três da madrugada... Será que a Rose estava contando para ela que acabou de dar para o seu ex? Mas então notei o tom de voz da Rose mudando como se estivesse pedindo algo, em tom manhoso, insistindo, tentando convencer, apesar de eu não entender bem o quê porque ela estava falando bem baixinho, e minha esposa respondendo dizendo em volume mais normal "Não..." "De forma alguma..." etc. Como ela não estava tão preocupada quanto a Rose em falar baixo (até porque, assim como eu, também continuava alta pela bebida), em certo momento ouvi claramente ela dizendo "Ele está dormindo, e é o que eu quero fazer também..." é claro que se referindo a mim e tentando recusar o pedido de seja lá o que for da Rose. Eu estava quase saindo do quarto, mas pouco depois ouvi a voz do próprio garanhão se juntando à conversa com alguns cochichos, e minha esposa respondendo bem alto "Não mesmo!" e depois ouvi barulho de porta se fechando com força, quase batendo, e sendo trancada por dentro.

Fiquei aliviado, porque entendi que minha esposa bateu a porta na cara dos dois, que deviam estar convidando ela para um menage a três, e se trancou dentro do banheiro. Então resolvi que era só esperar os dois, André e Rose, voltarem para o outro quarto para eu ir lá resgatar a minha esposa... Mas isso demorou... A luz do corredor continuou acesa e não ouvi o barulho da porta do quarto deles se fechando... Devem ter ido para a cozinha fazer um lanchinho antes de voltarem para trepar mais, eu pensei...

E enquanto esperava, vencido pelo cansaço (e pelo porre), sem nem perceber eu cochilei, e não sei por quanto tempo dormi, mas não deve ter sido pouco, pelo que concluí depois. E enquanto dormia, ali pelado e encostado na porta, e ainda de pau duro, tive sonhos eróticos. Sonhei que o menage a trois era na verdade comigo, a Rose e a minha esposa, e enquanto eu comia a Rose minha esposa reclamava (ela sempre foi muito ciumenta) e eu comentava com a Rose (que no sonho tinha o corpo bem mais gostoso do que ela tem na realidade): "Tá vendo como você goza mais comigo do que com o André?" E ela gemia muito gostoso no meu pau... Então acordei com o pau pulsando de duro, quase gozando, e me dei conta de onde estava e o que estava fazendo. Não sabia quanto tempo tinha passado, mas resolvi esperar mais um pouco ainda, afinal a luz do corredor ainda estava acesa.

Então enfim me cansei e resolvi investigar. Abri a porta, ninguém no corredor, apesar da luz ter sido deixada acesa. E a porta do banheiro ainda fechada. Mas... parecia haver vozes lá dentro! Como eu achava que minha esposa estivesse sozinha lá dentro levei um choque ao perceber conversa lá dentro! Corri para lá sem nem me preocupar em me vestir e encostei o ouvido na porta, e pelos sons não tive dúvidas, tinha gente lá dentro e transando! Além de gemidos, baixinhos mas muito longos, dava para ouvir até o barulho das coxas do comedor batendo nas coxas da mulher que estava sendo comida, plop plop plop. Ele devia estar metendo na buceta dela por trás, talvez com ela com o corpo abaixado apoiado na pia já que não tinha como se deitar lá dentro! Mas como podia ser isso?? Não era minha esposa que estava lá dentro? Quem é que estava sendo comida afinal???

Então ouvi a voz da Rose lá dentro rindo e fazendo algum comentário e achei que era ela que estivesse sendo comida, mas enquanto ela ainda falava deu para ouvir os gemidos da outra mulher que com certeza era quem estava levando ferro continuavam sem parar... Aí não tive mais dúvidas, era a minha esposa mesmo que estava ali gemendo na rola do seu ex-comedor enquanto a amiga no lado conversava e achava tudo muito engraçado! Mesmo eu ficando tonto, quase caindo pelo choque, repensei o que deve ter acontecido. Depois de minha esposa ter dito "Não mesmo" para o convite de menage a três do seu ex-comedor, quem bateu a porta do banheiro foi ele, e não ela, depois de forçar a entrada lá junto com a outra amante! Cheguei até a soltar um "putaquiupariu" mas acho que ninguém ouviu nada lá de dentro, com toda a barulheira de meteção e gemidos que estava rolando. E o garanhão ainda falava para ela exatamente as mesmas coisas que havia acabado de falar para a outra que ele traçou no quarto: "Goza, safada... Tesuda... Gostosa..." E a Rose até brincou: "Tudo isso você já falou para mim, não tem nada mais original para falar não? Hahahaha." Enquanto minha esposa continuava gemendo na pica dele sem parar e com certeza gozando muito, a julgar como seus gemidos foram ficando mais altos!

Como ela podia fazer isso?? Parecia tão determinada em dizer não para ele até há pouco... E como podia meter chifre em mim assim??? Então me veio à cabeça a voz do meu amigo garanhão de antigamente falando tão claramente que era como se estivesse ali do meu lado: "Quem já comeu uma vez come de novo se ela gostou da trepada. É só saber insistir..." E assim como aconteceu com a Rose lá no quarto, minha esposa começou a gemer bem mais alto, ficando descontrolada de tesão. E gemeu tão alto que a Rose até fez "shh" pedindo silêncio, mas o garanhão não tava nem aí com o barulho e bombou com mais força ainda na buceta dela, como deu para ouvir bem claramente pelo som das coxas se batendo mais rápido. Isso parece que só fez minha esposa gemer muito mais ainda. A Rose então desistiu de pedir silêncio e brincou dizendo: "Hahaha, quem disse que dessa fruta não como de novo?..." E então pediu um beijo do André e pelo que me pareceu o garanhão simplesmente começou a beijar a Rose na boca enquanto ainda dava bombadas na buceta da minha esposa.

esposa dando para outro (o ex)

Então, depois de toda essa putaria lá dentro (e foi uma putaria mesmo, já que são duas mulheres casadas!), os três foram para baixo do chuveiro e a Rose ainda comentou em meio a risadinhas que eu consegui entender nem sei como: "Pelo menos agora não é mais só eu quem tem marido corno aqui..." Minha esposa não dizia nada, estava silenciosa feito puta arrependida, mas o garanhão não parecia se conter de orgulho de ter comido duas casadas na mesma noite e falava muito: "Gostou, não gostou, safada?... Tava com saudades, não tava?... Seu marido não te come assim tão gostoso, come?... O pau dele não é tão grosso assim, é?... Lembra que você vivia elogiando a grossura dele?... Lembra?... Vai negar?... Dá uma chupadinha agora, dá..." Minha esposa respondeu esse pedido com um não, mas logo vi que o não dela para esse garanhão não tinha valor nenhum que nem quando ela ficou dizendo "não" na porta do banheiro, e logo ouvi ele gemendo elogiando a chupada que estava levando, "Isso... Gostosa... Chupa o saco também..." enquanto a Rose continuava rindo, com certeza assistindo tudo. Me senti no fundo do poço escutando tanta putaria com minha própria esposa no meio, e fiquei me sentindo o maior corno da história...

O que um marido pode fazer em um caso desse? Arrombar a porta e dar porrada em todo mundo? Talvez, só que no meu caso isso não seria possível por um "detalhe" quase inacreditável... Mesmo com toda essa putaria rolando o meu pau estava duro feito pedra! Desde que acordei daquele sonho erótico que ele parecia travado no "modo duro" e nem ameaçou amolecer por nada... Parecia até priapismo (aquela ereção involuntária que a gente tem quando acorda e só passa depois de uma boa mijada)... Por isso, que moral que eu ia ter se arrombasse aquela porta e aparecesse para reclamar de toda aquela putaria comigo mesmo estando nu e de pau duro? Como eles já haviam até acabado toda a meteção resolvi voltar para o quarto e esperar minha esposa lá dentro para resolver isso só entre nós dois... Mas nem com ela eu ia ter muita moral de reclamar se meu pau continuasse duro daquele jeito, então como não tinha nem onde mijar para ver se passava, antes de me vestir resolvi bater uma punheta rápida ali sozinho no escuro. E eu estava no meio dela, com as bolas já doendo de gozo acumulado, quando a porta se abriu e vi a silhueta da minha esposa nua contra a luz do corredor, com os cabelos ainda molhados do banho que tomou junto com o comedor.

Mas mesmo assim ela não me viu ali parado de pé com o pau duro na mão porque a luz do quarto estava apagada, e enquanto ela procurava o interruptor tateando a parede eu cochichei: "Deixa apagada, não acende..." Só que ao ouvir minha voz ela fechou a porta e veio na minha direção no escuro e eu dei uns passos para trás para ela não perceber que eu estava nu e de pau duro. Enquanto isso lá fora dava para ouvir o André e a Rose indo para o quarto dela cheios de risadinhas, achando tudo muito divertido. Eu cochichei antes que minha esposa me achasse em meio a escuridão: "Não esperava que eu estivesse acordado, não é?" Ela respondeu, também em um cochicho bem baixo: "Não é isso, amor... Claro que eu sabia que você estava acordado..." Perguntei: "Então o que foi isso??? Como é que o seu ex foi te comer tanto assim lá no banheiro??" E ela disse: "Eu não sei... Eu... Eu... Estava bêbada, amor... Você me perdoa?" Ela também tentou explicar alguma coisa sobre como ele forçou a entrada no banheiro enquanto ela conversava com a Rose, mas enquanto falava ela me achou no escuro e foi se abraçando a mim, bem apertado, com seu corpo nu e ainda úmido do banho que tomou com o amante.

E com esse abraço não teve como ela não perceber que eu também ainda estava nu e também perceber minha vara quente e dura feito pedra encostando-se em seu corpo. Notei que ela ficou até um pouco confusa, e fechou os dedos ao redor do meu pau apertando ele para se certificar de que era isso mesmo... Então ela cochichou: "Você... Você está com tesão, amor?..." Eu não sabia o que dizer, como explicar isso? não adiantava dizer que não estava. Então me resignei e respondi: "O que você acha?... Enquanto você ficava lá gozando no cacete do ex eu fiquei aqui sozinho te esperando pra transa que a gente ia fazer... Se lembra?" De alguma forma tentei justificar meu pau duro com isso, mas acho que não ajudou muito, porque ela apertou mais o meu pau, o que fez ele até doer, e aproximou seus lábios do meu rosto e perguntou bem baixinho, parecendo um pouco menos preocupada e um pouco mais com tesão: "Você... Você... Quer transar, amor?"

Com certeza essa não é a pergunta que um marido espera ouvir de uma esposa que acabou de gozar na vara de outro homem, e eu nem sei como foi possível mas em poucos instantes estávamos os dois deitados na cama... Transando! Isso mesmo! Fiquei lá transando com a minha esposa mesmo depois de ela acabar de abrir as pernas pro cacete de outro! Muito louco isso e eu não entendia como era possível mas tudo que eu queria naquela hora era meter e meter com muita força na buceta dela, com mais força do que o garanhão que acabou de comer ela, tentar fazer ela gozar comigo mais do que gozou no caralho dele. E de certa forma, acho que era também algum modo de eu tentar "retomar a minha posse"... Mas...

Isso também acabou não aconteceu do jeito que eu queria!! Não que eu brochei de novo. Não, dessa vez meu pau se manteve firme feito pedra. Mas depois de umas poucas bombadas mais fortes na buceta dela, ela se queixou, sentindo-se mesmo desconfortável: "Ai, amor... Ai... Pára... Ou então vai mais devagar... Estou dolorida... Ai... Muito dolorida... Ai..." É claro que eu sabia o que havia deixado ela "muito dolorida", mas eu não queria mais discussão, o primeiro de tudo que eu mais queria naquela hora era gozar, amolecer o meu pau que já estava duro há tempo demais, tirar o excesso de porra de dentro do meu saco, para ver se depois conseguia pensar de alguma forma mais clara, porque nessa hora eu estava mais confuso do que barata no inseticida. Então acatei sem discussão o pedido dela de tomar cuidado e continuei metendo, mas de um modo bem mais suave. Assim, só depois de um bom tempo foi que finalmente pude cuspir vários jorros de porra dentro dela, aliviando o meu pau que não aguentava mais de duro e esvaziando o meu saco que já estava doendo de porra acumulada.

Foi só depois dessa esporrada toda, que foi uma gozada realmente intensa, que eu consegui admitir para mim mesmo que não foi priapismo porra nenhuma o que tive, foi tesão acumulado mesmo, provavelmente desde, pelo menos, aqueles amassos que a gente deu lá na nossa mesa de tarde. Mas como que meu saco foi se manter cheio de tesão acumulado mesmo enquanto outro homem agarrava e comia a minha esposa é que é difícil de entender... Mas foi isso mesmo que aconteceu... Então, depois dessa gozada toda eu não queria nem mais pensar nisso, eu não me sentia mais com moral nenhuma de discutir com ela, não depois de eu mesmo ter gozado tão gostoso na buceta dela com ela ainda dolorida do pau do outro.

Fui dormir me sentindo muito corno manso, mais do que qualquer um de que já ouvi falar, mas no final das contas eu estava muito cansado e de porre, e queria dormir e acordar no dia seguinte para descobrir se isso tudo foi alguma espécie de sonho ou pesadelo ou se foi verdade mesmo... E a minha esposa igualmente cansada e pelo visto também igualmente ainda de porre não falou nada, nadinha... só se abraçou a mim bem aconchegante para dormir. Ela parecia bem satisfeita com a transa que a gente acabou de ter, mesmo eu sabendo que ela não gozou comigo nem perto do que ouvi ela gozando lá na vara do ex... Mas no fim, pouco antes de dormir, deduzi que ela estava satisfeita era mesmo por estar aliviada de ver que, já que eu gozei com ela numa boa mesmo depois dela dar para outro, isso podia significar que eu estivesse disposto a perdoar toda a putaria que rolou...

No dia seguinte, acordei com o som das vozes da Rose e do André lá fora no corredor, e vi que minha esposa já estava acordada e de pé, inclusive já tendo tomado um banho e agora secando o cabelo. Eu falei com ela, vendo ela de costas para mim com aquela bunda deliciosa nua na minha direção enquanto esfregava a toalha na cabeça: "Diz que foi só um pesadelo e que nada daquilo aconteceu... Diz..." Ela se virou, parecia bem menos preocupada que na noite anterior, bem mais tranquila de que não iria haver consequências trágicas por causa da pulada de cerca, e então veio se deitar por cima de mim, com aqueles seios maravilhosos soltos no ar, os biquinhos claramente durinhos, dando para perceber mesmo no escuro do quarto todo fechado, e disse: "Tá bom, amor... A gente não conta para ninguém... E é o mesmo que nunca aconteceu... Tipo só um sonho... Só nosso segredo..." E me deu um beijo. A esta altura eu já me sentia cúmplice demais com tudo, independente de ser o corno do momento, e aceitei o acordo e o beijinho de reconciliação que ela me deu, com o corpo nu e quente deitado por cima do meu que ainda estava embaixo das cobertas.

A Rose e o André bateram na porta chamando para o café e eu resolvi que mesmo me resignando sem brigas com tudo isso, mesmo aceitando ser um corno dos mansos nessa história toda, eu ainda não era capaz de encarar um garanhão que me meteu os chifres comendo a minha esposa. Então pedi para ela inventar que eu ainda estava com um porre horrível e não conseguiria sair do escuro do quarto. Assim, fiquei lá dentro enquanto ela foi tomar o café da manhã com os outros dois e preparar tudo para nossa viagem de volta. Durante o café ainda ouvi ela, junto com a amiga, cada vez mais despreocupada e dando risadinhas de qualquer gracinha que o garanhão dizia na cozinha... Depois saí do quarto praticamente para ir direto para o carro e deixarmos aquele lugar. Dava para notar que o garanhão não se aguentava em si de orgulho enquanto fazia questão de nos acompanhar até o carro e fazia todos tipos de piadinhas, nenhuma de cunho sexual é claro mas que não escondiam o que ele realmente tinha em mente, achando que eu sequer desconfiasse: "Espero que tenha dado para curtir muito... O prazer foi todo meu... Não vamos perder o contato, viu?..."

No caminho para casa ainda ensaiei finalmente brigar com minha esposa, mas eu não tinha mesmo mais clima para isso, e com certeza nem mais moral nenhuma para isso, então o que ela fez foi levar um pouco na descontração e insistir, mesmo depois de tudo isso, que eu não precisava ficar tão ciumento, que foi tudo "um acidente de percurso", que ainda gostava muito de mim etc... E da minha parte, como se fosse para eu provar para mim mesmo de que eu havia aceitado mesmo ser um corno bem manso, assim que chegamos em casa ao invés de ir dormir, fomos transar! E passamos o finzinho da tarde toda transando e, é claro, gozando muito, comigo louco de vontade de finalmente meter na buceta dela com força . Mas nem naquela hora nem depois, por mais que eu me esforçasse, achei que ela gozou tanto quanto no cacete do amante, pelo menos comparando com os gemidos ouvi naquela noite. Mas fiquei na minha... De qualquer forma, desde então temos levado nossa vida normalmente, mantendo "nosso segredo" só entre nós dois e não deixando que isso atrapalhe nossa vida de casados. E pelo que sabemos a Rose e o corno dela também vão indo muito bem lá no Nordeste... E se tem alguma coisa que mudou depois disso é que procurei saber melhor quem já comeu a minha esposa antes de mim, principalmente para o caso de irmos para qualquer festa com conhecidos do passado dela.

Um comentário:

Comente. Não é necessário se registrar para dizer o que vc achou.